Quarta-feira, 1 de Abril de 2009
Uma congestão com sabor a açafrão das Índias

 

 

A minha amiga Adília anda muito à frente. Escreveu ontem aqui sobre o filme do barbudo e eu venho ainda falar do filme do indianito que fica ricalhaço. Aquilo já estreou há uma catrefada de semanas e ainda anda tudo com a passaroca aos saltos com o filme. Que é uma maravilha! Que é vibrante, ou lá o que é! Que é obra-prima! Que é melhor que Jesus Cristo e os apóstolos todos juntos e aos saltos!

 

Olhem, e é mesmo para ser curta e grossa, nem me aqueceu nem me arrefeceu! Para um filme passado na Índia parece que o senhor abusou das especiarias.

 

Não é que aqui a Maria Rosa esperasse grande coisa. Estes olhos que a terra há-de comer já viram uns filmes do tal senhor inglês que fez este “Quem quer ser Bilionário?” e não tinham ficado muito agradados. Começou tudo com aquele dos drogaditos com estilo e, a partir daí, nenhum dos que apareceram a seguir me amaciou a azia.

 

O senhor deve ter insónias e depois dá-lhe para isto. Como se a vida de toda a gente (drogados, mortos-vivos e indianos pé-rapados) fosse sempre uma roda-viva com toda a gente a saltar como o maluco lá da terra faz na festa da aldeia quando tocam o «Baile de Verão» do Zé Malhoa.

 

É um sacana exagerado, é o que é. E isso eu não aguento. Que uma sopeira pode ter muitos defeitos, tudo bem… Que se lambuze de uma ponta a outra, é lá com ela. Que se ajoelhe para tirar uma gordura mais entranhada do forno, aguenta-se. Mas no fim do dia a gente anda de cabeça levantada porque manteve direitinho o código moral das sopeiras.

 

Este senhor no final de contas parece levar tudo à frente daquela testa enorme que ele tem sem pensar naquilo que está a fazer. Quanto mais vistoso melhor, não é Senhor Boyle? Depois logo se vê se se arranja um espacinho para a gente pôr a cabeça a funcionar.

 

É claro que não é um mau filme (e às vezes tem momentos de que aqui a Maria Rosa gostou),  mas, com tanta gente a falar daquilo com elogios a saltarem da boca como comida mastigada na boquinha de uma daquelas meninas que comem muito para mandar tudo cá para fora, esperava melhor.

 

Pronto. Tem tudo a ver com aquilo que a gente espera quando entra na sala de cinema. E eu só tinha lá entrado para limpar o chão.

 

Maria Rosa, a Sopeira

 



publicado por CahiersDasSopeiras às 10:07
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

5 comentários:
De Pancrácia a 1 de Abril de 2009 às 18:29
Best of:
"Que é melhor que Jesus Cristo e os apóstolos todos juntos e aos saltos!"

"Começou tudo com aquele dos drogaditos com estilo"

Muahahahha!

(catarina)


De Caminho a 2 de Abril de 2009 às 13:45
Pois, quanto mais alto se está... maior é a queda. Então e da música, a Maria Rosa não gostou?


De CahiersDasSopeiras a 2 de Abril de 2009 às 17:34
Olha filha, gostei mais ou menos. Mais de umas do que de outras se queres saber. Mas até é simpática...


De Maria Araújo a 2 de Abril de 2009 às 23:22
Eu só venho aqui a este blog, não para dar opinião dos filmes, mas para a ler. Seu jeito de sopeira é ...subtil.
Maria Rosa, a Sopeira á moda antiga.



De vibes and stuff a 8 de Junho de 2009 às 17:34
lol. eu cá gostei bastante, e não dava nada pelo filme.
opiniões...

gostei de cá passar btw : )


Comentar post

pesquisar neste blog
 
posts recentes

Parece que é a extremunçã...

Olhem-me para esta safada...

E não é que este garoto f...

Isto ainda não deu as últ...

Para a próxima calas-te.....

Mas não percam...

Uma congestão com sabor a...

Sacana do barbudo

O raio do velhinho apront...

Um início como deve de se...

arquivos

Novembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

subscrever feeds